domingo, 29 de janeiro de 2017

Entenda melhor sobre trombose e o uso de pílula


Há algum tempo tem sido debatida exaustivamente nas redes sociais a questão do risco de trombose com o uso de pílulas anticoncepcionais.

Depoimentos de dramas pessoais são expostos com destaque na mídia eletrônica. Casos realmente tristes e comoventes. Só quem vivencia essas situações pode nos dizer o sofrimento de cada um.

No entanto, a ciência não pode apenas lidar com as emoções. É preciso analisar com profundidade todos os aspectos da questão. É importante tentar esclarecer as dúvidas que existem a respeito do uso de pílulas e o risco de trombose.

Primeiramente, devemos esclarecer que existem pílulas e “pílulas”. Elas não são iguais. Existem pílulas COMBINADAS e as MINIPÍLULAS. As combinadas têm dois hormônios: similares do estrogênio e da progesterona, naturais da mulher. As minipílulas só têm na composição um, similar da progesterona.


MINIPÍLULA





PÍLULA COMBINADA




Pois bem. O risco de trombose venosa só é maior nas PÍLULAS COMBINADAS, que são a maior parte das pílulas usadas em todo o mundo. Este risco é maior nos quatro primeiros meses de uso, reduzindo depois e mantendo-se estável.

Qual o risco? 2 a 5 vezes maior do que as não usuárias. No entanto, na gravidez e no pós-parto o risco é de cerca de 10 vezes maior. Como de um modo geral a mulher está usando a pílula para evitar uma gravidez, fica a pergunta: e então?




OUTRAS:

No Brasil, ocorrem cerca de 50 mortes por ano, decorrentes de trombose venosa, independentemente da causa. No entanto, são 500 mortes por ano de usuários de bicicleta.




Na França, 20 mortes são atribuídas por ano ao uso de pílulas combinadas.

Nos Estados Unidos, 450 pessoas morrem por ano por caírem da cama!

Uma viagem com mais de 4 horas de duração aumenta em 2 vezes o risco de trombose venosa. Se for de avião, o risco é ainda maior.

Outros riscos: obesidade, imobilização, traumatismos, cirurgias, idade, tabagismo e câncer.

Portanto, o risco individual de trombose é baixo e deve ser colocado em contraposição do risco de gravidez não desejada.

ATENÇÃO: o risco aumenta muito se a mulher tiver parentes de primeiro grau com história de trombose e outras doenças cardiovasculares, tais como infarto do miocárdio e AVC antes dos 45 anos. Portanto, nestes casos o uso das pílulas combinadas não é recomendável. Não há restrição para as minipílulas.


OUTRAS:

  • ·         Caso esteja prevista uma cirurgia de médio ou grande porte, as usuárias devem suspender o uso da pílula combinada com um mês de antecedência.


  • ·         Tabagismo e pílula definitivamente não combinam. Aumentam demais o risco de doenças cardiovasculares, especialmente se a usuária tiver mais de 35 anos.




Em mulheres com IMC (Índice de Massa Corporal além de 35 (obesas) o risco de uso das pílulas combinadas é maior que os benefícios.
·     

Resumindo: o risco de trombose venosa nas usuárias de pílulas combinadas é um pouco aumentado nas mulheres que não têm outros fatores de risco associados, mas, os benefícios de seu uso na contracepção superam largamente estes riscos. As minipílulas não aumentam o risco de trombose venosa.

Dr. Antônio Aleixo Neto

Palavras-chave: trombose, pílulas combinadas, minipílulas, contracepção.