segunda-feira, 11 de janeiro de 2021

Você pode usar estrogênio?

 

Algumas mulheres já ouviram falar que não podem usar métodos contraceptivos hormonais que contenham estrogênios.

Quais são eles?

 

Pílulas anticoncepcionais combinadas

Injetáveis mensais

Anel vaginal

Adesivo contraceptivo

 


Por quê?

 

Geralmente devido alguma contraindicação importante. Entre outros:

 

Passado ou alto risco de câncer de mama

Hipertensão arterial

Fumantes (especialmente em mulheres acima de 35 anos)

História pessoal ou parentes de primeiro grau de trombose





Amamentação (até 6 meses)

Enxaqueca com aura

 

A solução

 

Usar métodos eficazes que não tenham estrogênios:

 

Pílulas de progesterona (mini-pílula)

Implante hormonal (só tem progesterona)





Injetável trimestral (só tem progesterona)

DIUs hormonais (só têm progesterona)


DIUs não hormonais (cobre ou cobre/prata)

 

Enfim, são muitas opções existentes hoje que permitem que a mulher disponha de uma contracepção segura e eficaz.

Palavras-chave: estrogênio, contraceptivos combinados, pílula de progesterona, implante, DIUs hormonais, DIUs de cobre/prata.

Prof. Antônio Aleixo Neto


Mestre em Saúde da Mulher pela Faculdade de Medicina da UFMG
Mestre em Saúde Pública pela Harvard University
© Todos os direitos reservados

sábado, 5 de dezembro de 2020

MIRENA E KYLEENA - SAIBA AS DIFERENÇAS

 



KYLEENA     E     MIRENA

Lançado em meados de 2020, o Sistema Intrauterino Hormonal Kyleena, veio acrescentar mais uma opção de contracepção intrauterina hormonal, além do tradicional Mirena.

Comparado com Mirena, Kyleena é um pouco menor e mais fino, o que pode auxiliar em procedimentos de inserção mais confortáveis, especialmente em mulheres sem filhos ou com úteros pequenos.

Menor quantidade de hormônio levonorgetrel (um tipo de progesterona), mas a mesma duração e eficácia.

Veja na apresentação as principais diferenças.


Palavras-chave: Mirena, Kyleena.

Prof. Antônio Aleixo Neto


Mestre em Saúde da Mulher pela Faculdade de Medicina da UFMG
Mestre em Saúde Pública pela Harvard University
© Todos os direitos reservados

Gostou da postagem? Curta nas suas redes sociais.

segunda-feira, 23 de novembro de 2020

Estou indo para praia: quero atrasar minha menstruação!



Praias, festas, viagens, esportes...Existem várias ocasiões que a mulher deseja atrasar sua menstruação. Isto é válido e possível, mas, como fazer?


Existem várias opções, mas, sempre é bom consultar seu(sua) médico(a) antecipadamente.

Opção 1: Já toma anticoncepcionais combinados, com dois hormônios. É simples: apenas continue tomando a pílula até quando desejar menstruar. Lembre-se que tem pílulas que vem com placebo na sua apresentação. Essas não contam. Geralmente têm uma cor diferente.

Cuidado! Algumas apresentações de pílula combinada têm concentrações diferentes de hormônios ao longo do ciclo. Geralmente essas pílulas têm cores diferentes. Nesse caso será preciso fazer um ajuste especial para se conseguir o atraso da menstruação.



Opção 2: Se você toma apenas a pílula de progesterona, também conhecida como minipílula, basta continuar, já que ela tomada todos os dias do mês, sem interrupção.

Opção 3: Você não toma anticoncepcionais orais. Nesse caso, se estiver até três dias da esperada menstruação, pode tomar noretisterona 10mg, 3 x ao dia. Pode tomar até por 20 dias. Se estiver até com 10 dias da menstruação esperada pode tomar uma pílula anticoncepcional de dose não muito baixa, até quando queira menstruar.

Lembrar que a noretisterona não é contraceptivo e, enquanto estiver em uso, você ainda precisará usar outro método, como preservativos, para evitar a gravidez.

Efeitos colaterais: evidente que com essas dosagens de hormônios fora da época seria de esperar alguns efeitos colaterais. Os mais comuns são ganho de peso, inchaço, sensibilidade mamária, dores de cabeça e acne. Algumas vezes pode acontecer escape de sangramento.


Outras opções:

Coletor menstrual: é um pequeno copo de plástico que fica dentro da vagina e age como uma barreira, coletando os produtos da sua menstruação. Não a interrompe, mas é uma alternativa aos tampões e absorventes. Muitas mulheres se adaptam maravilhosamente a esses coletores menstruais.



Atualmente também existem coletores menstruais que permitem fazer sexo no período menstrual.

Outra alternativa seria a tomada de medicamentos para pelo menos diminuir o fluxo menstrual. Por exemplo; o uso de anti-inflamatórios não esteroides ou o uso de anti-fibrinolítico, no período menstrual.

Estes medicamentos podem diminuir entre 30 a 60% do fluxo menstrual.

O fato é que existem soluções. Procure a assistência médica o mais cedo possível para ajustar a melhor solução para seu caso.


Palavras-chave: atrasar menstruação, menstruação, pílula anticoncepcional, noretisterona, coletor menstrual.


Prof. Antônio Aleixo Neto


Mestre em Saúde da Mulher pela Faculdade de Medicina da UFMG
Mestre em Saúde Pública pela Harvard University
© Todos os direitos reservados

Gostou da postagem? Curta nas suas redes sociais.

segunda-feira, 19 de outubro de 2020

As vacinas para COVID-19 reduzirão em 100% o risco de contágio?

 

Infelizmente não. As expectativas do FDA (órgão similar à ANVISA) nos EUA é de que a expectativa inicial seria que uma vacina COVID-19 preveniria doenças ou reduziria sua gravidade em pelo menos 50% das pessoas que serão vacinadas.



A orientação da Food and Drug Administration (FDA) dos EUA estabeleceu como uma expectativa para licenciamento que uma vacina COVID-19 preveniria doenças ou reduziria sua gravidade em pelo menos 50% das pessoas que são vacinadas, podendo variar de 30 a 80%.

Vamos aguardar, na torcida que essas vacinas possam ajudar a humanidade a lidar com essa terrível pandemia.

 Palavras-chave: Covid19, vacina, FDA, pandemia.

Prof. Antônio Aleixo Neto
Mestre em Saúde da Mulher (UFMG)
Master in Public Health (Harvard University)

© Todos os direitos reservados

segunda-feira, 5 de outubro de 2020

Pólipos uterinos, o que são?


Pólipos, de um modo geral, são projeções na superfície de tecidos mucosos. Por exemplo: no intestino, na mucosa nasal, e no endométrio, que é o revestimento interno do útero. Este é chamado de pólipo endometrial. Não confundir com o pólipo cervical, que ocorre no colo do útero.

                                                           Pólipos endometriais                                                                                                                                                                                                            
Pólipo foto


Pólipos cervicais
Polipo cervical
                                                                                                                                                               

A maior parte dos pólipos endometriais são benignos e o tamanho varia de milímetros a poucos centímetros de diâmetro. Não são comuns antes da menopausa.

Quais são os sintomas?

  • Aumento do fluxo menstrual
  • Aumento da duração da menstruação
  • Sangramentos fora da menstruação
  • Irregularidades menstruais
  • Sangramento após relação sexual
  • Sangramento após a menopausa
  • Infertilidade
Como se diagnostica?

A história menstrual é muito importante para que o médico possa suspeitar de um pólipo endometrial. Ele não é visto, nem sentido num exame ginecológico e toque. O diagnóstico final pode ser feito através do ultrassom transvaginal ou da histeroscopia.
Histeroscopia
Qual a conduta?

Vai depender dos sintomas, da idade, do tamanho, entre outros fatores. Na pós-menopausa, geralmente recomenda-se a retirada do pólipo, devido ao maior risco de malignidade.
A extração se faz através da histeroscopia, que é um procedimento ambulatorial, em ambiente hospitalar, durando poucos minutos. A paciente vai para casa no mesmo dia.

Palavras-chave: pólipo, pólipo endometrial, pólipo cervical, ultrassom transvaginal, histeroscopia

Prof. Antônio Aleixo Neto
Mestre em Saúde da Mulher (UFMG)
Master in Public Health (Harvard University)

© Todos os direitos reservados