domingo, 19 de fevereiro de 2017

Não têm filhos? Não quer hormônios? Saiba os DIUs mais indicados.

Os DIUs sem hormônios, geralmente de cobre, foram desenvolvidos na década de 70 e evoluíram muito com o decorrer do tempo. Todos têm como característica a alta eficácia e a praticidade, ou seja, coloque e esqueça

A usuária não precisa ficar se preocupando com tomadas diárias das pílulas, com interação medicamentosa, com efeitos de hormônios, com aumento de peso, etc. O DIU está colocado e pronto. Têm longa duração e exigem uma manutenção mínima, com revisões anuais, exceto no primeiro ano de uso. 

Devido a estas qualidades os DIUs de cobre têm sido cada vez mais indicados pelos médicos e procurados por mulheres que não têm filhos (nulíparas) que querem um método eficaz e que não contenha hormônios.  No entanto, existem vários modelos de DIU de cobre. Qual o melhor para as essas mulheres?



No Brasil nós temos disponíveis os dispositivos intra-uterinos mais utilizados no mundo. Vejamos:


Da esquerda para direita:

Ômega/Optima/Andalan Comfort 375 Normal;

Ômega/Optima/Andalan Comfort 375 Mini;

Safe Cu 300;

T de Cobre 380 A.

Cada um tem suas particularidades. O T de cobre 380 A, é o DIU mais usado no Brasil e no mundo. Tem uma duração de 10 anos e tem uma ótima eficácia contraceptiva (como todos outros) de mais de 99%. É um DIU excepcional, mas não é o ideal para quem não tem filhos (nulíparas). Observem o tamanho da haste vertical: 36 mm.  É maior do que o comprimento da cavidade uterina de muitas nulíparas. Ou seja: não cabe. As hastes horizontais também são muito extensas, 32 mm, forçando as paredes laterais do útero. Sabe-se que 2/3 das nulíparas têm a largura da cavidade uterina de apenas 24 mm. Como consequência, geralmente causam mais efeitos colaterais, tais como; cólicas e hemorragias.

É necessário esclarecer que o útero de mulheres que já tiveram filhos é maior do que as mulheres que não tiveram. Daí a importância dessa relação geométrica entre o DIU e a cavidade uterina. 

O modelos com formato de "ferradura" como o Ômega 375, Optima 375 ou o Andalan Comfort 375, tamanho normal ou standard têm como característica uma menor taxa de deslocamento e sangramentos. Têm uma duração de cinco anos. São excelentes dispositivos intra-uterinos. O Multiload , o primeiro DIU desse formato, não está mais disponível no Brasil.

DIUs com formato em ferradura: tamanhos Mini e Normal


Para as mulheres que não têm filhos o ideal seria o Safe Cu 300 que também dura cinco anos e tem o aplicador mais fino de todos. Aplicador é o tubo que coloca o DIU dentro da cavidade uterina. O diâmetro é de apenas 3 mm, contra 4,5 mm do T de cobre. Ou seja; é mais fácil e menos doloroso para inserir em nulíparas, que geralmente têm o canal do colo do útero muito estreito e fechado.



Infelizmente, o Safe Cu 300 está indisponível no Brasil, no momento, aguardando renovação de registro na ANVISA há mais de um ano...

Apesar disso, temos boas opções para para mulheres que não têm filhos: os DIUs com formato de ferradura Ômega/Optima/Andalan Comfort 375, tamanho Mini, com haste vertical de apenas 28 mm e haste curva com largura de apenas 17 mm.

Resumindo: para mulheres que não têm filhos (nulíparas) as melhores indicações são: o Safe Cu 300 ou os DIUs Ômega/Optima/Andalan Comfort 375 Mini. 



Palavras-chave: DIU, dispositivo intra-uterino, T de cobre, Ômega 375 Mini, Optima 375 Mini, Andalan Comfort 375 Mini, Multiload, Safe Cu 300, Nulíparas.


Dr. Antônio Aleixo Neto 

sábado, 11 de fevereiro de 2017

O implante anticoncepcional é caro?

Que o Implanon® é o método mais eficaz entre todos muita gente já sabe. Que ele dura três anos também. Que é prático, nem se fala.

Implanon nos dedos

Lembremos também que este implante libera pequenas quantidades de um tipo de progesterona (etonorgestrel) diretamente na corrente sanguínea e, portanto, não aumenta o risco de trombose venosa como as pílulas combinadas. Pode ser usado em obesas, em mulheres que já tiveram trombose, em fumantes e hipertensas. Muito indicado em mulheres que sofrem com enxaqueca com aura e que, portanto, têm contraindicação para pílulas combinadas.

No entanto, o implante contraceptivo não é coberto pelos planos de saúde. Aí vem a questão:

É caro?

Levantamento do preço do implante + a inserção pelo médico verificou-se que o total fica em média entre R$ 1000,00 e R$ 1500,00. Isto significa um gasto entre R$ 0,91 a R$ 1,36 por dia, aos preços de fevereiro de 2017. Ou seja: menos que um cafezinho por dia.

Resumindo: é barato.

 

Palavras-chave: Implante, progesterona, etonorgestrel, custo.

 

Dr. Antônio Aleixo Neto

 

 

 

 

 

 

 

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

O uso de antibióticos afeta a eficácia da pílula anticoncepcional?


clip_image001

Esta é uma das dúvidas mais frequentes no dia-a-dia do ginecologista. Muito já se falou e se escreveu sobre os possíveis malefícios do uso concomitante de tetraciclinas, penicilinas, amoxicilinas e outros antimicrobianos com a pílula anticoncepcional. Hoje sabemos que o único antibiótico que efetivamente tira o efeito dos anticoncepcionais é a RIFAMPICINA. 

Este antibiótico é de uso restrito, principalmente em casos de tuberculose e hanseníase. No entanto, existem fórmulas em spray para machucados, que devem ser evitados.

Outro medicamento que pode afetar a ação das pílulas é a GRISEOFULVINA, que é um antifúngico, e não antibiótico. É utilizado para micoses de unha e pele.
Além dos dois citados acima, outros medicamentos também podem diminuir a eficácia da pílula. De um modo geral são anticonvulsivantes usados na epilepsia e disritmia cerebral:

· Fenitoína (Hidantal®)
· Barbitúricos (Gardenal®)
· Carbamazepina (Tegretol®)
· Primidona (Primid )

E o (antidepressivo natural):

· Hipérico ou Erva de São João 

clip_image003

Estas informações são fornecidas pelo manual da Organização Mundial da Saúde:

Critérios Médicos de Elegibilidade Para Uso de Contraceptivos. Ele é considerado a “bíblia” para uso de todos os métodos contraceptivos.

Palavras-chave: pílula anticoncepcional, anticoncepcional, antibiótico, eficácia, anticonvulsivante.

Dr. Antônio Aleixo Neto