domingo, 31 de julho de 2016

FALHAS NO USO TÍPICO DE MÉTODOS ANTICONCEPCIONAIS POR FAIXA ETÁRIA



O que é uso típico de um método anticoncepcional? É aquele uso do dia-a-dia, sem o controle rígido das pesquisas científicas. Exemplos: o preservativo que pode sair sem querer, o esquecimento de pílulas, a ejaculação antes da retirada do pênis no coito interrompido, e por aí vai.
Quando você lê uma bula, geralmente está indicado a taxa de falhas pelo uso teórico, que é obtida em pesquisas controladas. Se uma mulher esquece de tomar uma pílula, por exemplo, ela é excluída da pesquisa.

No gráfico abaixo, embora não incluído todos os métodos, vê-se claramente os mais eficazes e os menos eficazes. O implante é o mais eficaz no uso típico por que, uma vez inserido debaixo da pele, ele não sai, a não ser se for removido pelo médico. Comparativamente, os DIUs são também muito eficazes, porém, podem ocasionalmente, sair da posição ideal, sem que a usuária perceba.

Outra constatação clara do gráfico é que a eficácia depende também da idade da usuária. Exceto o implante, todos os outros métodos são mais eficazes em mulheres acima de 25 anos. Ou seja, quanto mais jovem, mais sujeitas a gravidezes estão as usuárias de vários métodos, principalmente da pílula, preservativo, coito interrompido e tabela. Observem o caso das usuárias de pílula, que é o método mais usado no Brasil. As falhas podem chegar a 8 gravidezes para cada 100 usuárias! É preocupante e são dados de estatísticas internacionais.


Portanto, na escolha de um método contraceptivo, não basta que ele seja teoricamente eficaz, mas que também a eficácia prática seja alta. Podemos observar que os métodos com menos falhas são: o implante, os DIUs e os injetáveis.



Dr. Antônio Aleixo Neto