terça-feira, 1 de janeiro de 2008

Perguntas e respostas sobre DIUs e Endoceptivo


O que é o DIU?

É um pequeno dispositivo de plástico (cerca de três cm) que é envolvido parcialmente por filamentos de cobre ou que contém um hormônio (um progestágeno). Portanto, existem dois tipos: os Dius de cobre e os hormonais. Estes últimos são chamados também de endoceptivos.





Como agem os DIUS?

Ambos os tipos eliminam o cobre ou o hormônio dentro do útero, onde vão agir imobilizando ou destruindo os espermatozóides (ação espermicida). O endoceptivo (Dispositivo Intra-uterino hormonal) também torna o muco cervical espesso, dificultando a entrada dos espermatozóides no útero. Portanto, os Dius interferem com o processo reprodutivo antes da fecundação.


Qual é a eficácia contraceptiva dos DIUs?

Os Dius são muito eficazes para evitar gravidezes. Os Dius de cobre têm aproximadamente 99,3% de eficácia. O endoceptivo é ainda mais eficaz: 99,7%. Para efeito de comparação, a ligadura tubária é, em média, 99,6% eficaz e a pílula anticoncepcional, na prática, pode falhar até em 6% das vezes; devido a esquecimentos, uso inadequado ou interação com outros medicamentos.


Quanto tempo dura o Dispositivo Intra-uterino?

Existem diversos modelos de DIUs de cobre: nesses, a duração varia entre cinco e 10 anos. O endoceptivo dura até cinco anos.


Todas as mulheres podem usar o Dispositivo Intra-uterino?

Não existe método que sirva para todas as mulheres, daí a vantagem de se ter várias opções de contracepção. O Dispositivo Intra-uterino é especialmente indicado para mulheres que já tenham pelo menos um filho, possuam um relacionamento estável, desejem um método prático, com alta eficácia, de longa duração e que tenha um bom custo/benefício.
As mulheres usam o DIU por mais tempo do que qualquer outro método contraceptivo reversível, mostrando a sua grande aceitabilidade.



Uma mulher sem filhos pode colocar o Dispositivo Intra-uterino?

Pode. A nuliparidade não é mais considerada contra-indicação para o uso do Dispositivo Intra-uterino, e inclusive existem modelos mais indicados para este caso. No entanto, o Dispositivo Intra-uterino não é considerado método de primeira escolha para estas mulheres devido à maior dificuldade de inserção e aumento de alguns efeitos colaterais.


O Dispositivo Intra-uterino pode ser usado na lactação?

As mulheres lactantes são excelentes candidatas ao uso do Dispositivo Intra-uterino porque os mesmos não têm efeito no organismo, não afetando a produção do leite. O período mais adequado para se inserir o DIU é entre 30 e 42 dias após o parto, devido a sua facilidade e à impossibilidade de ter havido uma gravidez nesta fase. Outra vantagem é que, após o período de lactação, o dispositivo não precisa ser trocado, continuando a agir com eficácia. 


Quais são os principais efeitos colaterais causados pelos DIUs?

Os DIUs de cobre podem aumentar o sangramento menstrual, principalmente nos primeiros meses de uso. Depois desse período, este aumento é geralmente aceitável e, se necessário, pode ser controlado com medicamentos. Podem ocorrer também cólicas menstruais, as quais são geralmente discretas.
O endoceptivo (DIU hormonal) costuma diminuir bastante o sangramento menstrual das usuárias e uma boa porcentagem pode até parar de menstruar. As cólicas menstruais melhoram acentuadamente com o uso do endoceptivo.

O DIU pode eventualmente sair do lugar dentro do útero ou ser expulsos. A perfuração uterina é extremamente rara.



Os Dius podem ser usados na pré-menopausa?



Não há nenhum impedimento para o uso de DIU devido a esta condição. As mulheres acima de 40 anos podem ser ótimas candidatas ao uso do DIU, o qual geralmente poderá durar até a menopausa. O DIU hormonal (endoceptivo) tem sido utilizado como coadjuvante na terapia de reposição hormonal da menopausa.

Quais são as contra-indicações para o uso do DIU?

Como todo medicamento ou produto para uso no ser humano, o DIU pode ser inadequado para ser usado em determinadas condições. As principais são: doença inflamatória pélvica, aumento do risco de doenças sexualmente transmissíveis, AIDS, miomas que distorçam a cavidade uterina, sangramento vaginal suspeito, câncer do colo e do endométrio, malformações uterinas e estreitamento do canal do colo uterino, antecedentes de gravidez ectópica, tuberculose pélvica. O aumento do sangramento menstrual e cólicas menstruais intensas contra-indicam os DIUs de cobre, mas não o endoceptivo.
Discuta as possíveis contra-indicações com seu médico.



O DIU pode ser utilizado em doenças sistêmicas?

Existe uma série de doenças ou condições pessoais que contra-indicam diversos métodos, mas não impede o uso de DIUs. Exemplos: doenças da tireóide, diabetes, pressão alta, doenças do fígado, cálculo biliar, HIV +, distúrbios neurológicos e psiquiátricos, doenças valvulares cardíacas, infarto do miocárdio, varizes, trombose nas pernas, obesidade e fumo.


Quando o DIU pode ser inserido?

  • No pós-aborto
  • No pós-parto (de preferência entre 30 e 42 dias do parto)
  • No período menstrual ou em qualquer momento do ciclo, caso o colo seja permeável e existam indícios seguros de que a mulher não esteja grávida
A inserção é geralmente bem tolerada pela mulher e dura poucos minutos. Eventualmente o médico pode recomendar um analgésico para uso momentos antes da inserção ou uma anestesia local.


Quando o DIU pode ser retirado?

O DIU deve ser retirado sempre que a mulher desejar, se venceu a validade ou se a usuária apresenta algum efeito colateral ou complicação. A retirada geralmente é um procedimento simples e rápido e pode ser feita em qualquer época do ciclo.


Quais as principais vantagens dos DIUs?

O DIU é um dos melhores métodos contraceptivos existentes. Existem mais de 100 milhões de mulheres usuárias em todo o mundo e este número não para de crescer. As principais vantagens são:
  • Baixo custo, mesmo quando custeado pela usuária
  • Prático - a usuária não precisa fazer nada para o método funcionar
  • Eficaz - em geral tem eficácia acima de 99%
  • Durável – pode permanecer entre cinco e 10 anos dentro do útero
  • Os Dius de cobre não têm nenhuma ação sistêmica (no organismo), portanto, não causam dor de cabeça, manchas no rosto, aumento de peso, etc. Os endoceptivos têm um efeito sistêmico mínimo.
  • Podem ser utilizados na lactação e na pré-menopausa
  • Retorno rápido à fertilidade após a remoção
  • Não interfere na relação sexual