segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Resultados da enquete sobre o intervalo em que deve ser colhido o exame de prevenção do colo uterino.

Resultado da pesquisa:

Em qual intervalo deve ser feito o exame de prevenção do câncer do colo uterino?

1 ano

61,11%

2 anos

2,78%

3 anos

8,33%

4 anos

2,78%

6 meses

25%

 

Comentários: poderíamos considerar duas respostas corretas: 1 e 3 anos. Habitualmente, no Brasil, o exame de prevenção do câncer do colo do útero tem sido feito anualmente, para quem já teve atividades sexuais. No entanto, normas do Ministério da Saúde, da Organização Mundial de Saúde e da American Cancer Society recomendam que este intervalo poderia ser de três anos, no caso de dois ou três exames negativos prévios.

O exame semestral só é recomendado em alguns poucos casos em que foram encontrados anormalidades em exames anteriores.

Vejam postagem sobre Exame Papanicolaou ou Citologia Oncótica.

image

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Repórter Brasil Online

Veja uma reportagem efetuada pela Tv Brasil sobre parto prematuro e o Teste de Fibronectina Fetal


quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Planejamento Familiar

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Implanon – implante contraceptivo

O implante disponível no Brasil é denominado Implanon   e consiste num bastonete não-biodegradável de 4 cm de comprimento por 2 mm de espessura, contendo no seu interior 68 mg de etonogestrel disperso numa matriz de etileno-vinil-acetato (EVA).


sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Mirena


O endoceptivo (Mirena®) é uma estrutura plástica em forma de “T” de 32 mm de comprimento com um cilindro contendo uma mistura de um plástico permeável (polidimetilsiloxano) e 52 mg de um tipo de progestogênio (levonorgestrel). Este cilindro é revestido por uma membrana que regula a liberação do hormônio. A estrutura do “T” está impregnada com sulfato de bário, tornando o endoceptivo visível ao RX. Após sua inserção, o progestogênio (levonorgestrel), é liberado em doses de 20 mcg por dia. Difere dos DIUs medicados com cobre pelo fato da ação hormonal local inibir a proliferação endometrial, espessar o muco cervical, além de inibir a motilidade espermática e destruí-los. Como conseqüência dessa ação endometrial, além da contracepção, o endoceptivo tende a diminuir o fluxo menstrual e a dismenorréia (cólicas menstruais). A sua ação no muco cervical permite diminuir a incidência das Infecções Sexualmente Transmissíveis. A sua eficácia é a melhor entre todos os contraceptivos (99,9% por ano de uso). A sua duração dentro do útero é de cinco anos.